O secretário-geral do PS questionou hoje quem fala a verdade no Governo sobre a situação económica e financeira do país, se Passos Coelho, Paulo Portas ou Poiares Maduro, dizendo que reina a desorientação no executivo.

António José Seguro falava num comício de apoio à candidatura do socialista Rui Santos à presidência da Câmara de Vila Real, que juntou muita gente no Largo da Capela Nova - um comício que juntou muitas pessoas, talvez mais do que na véspera o PS conseguira no Porto ou Coimbra.

O líder socialista acusou o primeiro-ministro de falar «com grande ligeireza» sobre a possibilidade de ser alvo de um segundo resgate financeiro, dizendo que se esse cenário se concretizar Pedro Passos Coelho e o seu Governo serão os responsáveis.

«A este fracasso junta-se uma grande desorientação. O primeiro-ministro fala desse segundo resgate, o ministro [Adjunto e do Desenvolvimento Regional) Poiares Maduro vem dizer nem pensar e, ao mesmo tempo, o vice-primeiro-ministro [Paulo Portas] declara que o pior já passou. A pergunta é muito simples: Qual deles fala a verdade?», questionou o secretário-geral do PS.

Mas Seguro deixou mais uma pergunta, interrogando-se se «pode o povo português confiar num Governo em que na mesma semana o primeiro-ministro diz uma coisa, o vice-primeiro-ministro diz outro e outro ministro ainda diz outra».

«Mas este povo pode e deve fazer a diferença. No próximo dia 29, aqui em Vila Real, estou certo que o povo fará a diferença. Cada vez que um de nós sonha não passa de um sonho, mas cada vez que vez que cada um de nós tem o mesmo sonho então aí nasce uma corrente de esperança e de mudança», acrescentou.

Na sua intervenção, o secretário-geral do PS voltou a defender a importância de funcionar o voto útil no próximo domingo em Vila Real.

«Se estão contentes com o que se passa em Vila Real, então só têm que votar nos mesmos de sempre. Se querem a mudança, concentrem os votos no PS», disse, num apelo que dirigiu aos humanistas e progressistas da cidade.