Os três principais partidos, incluindo as coligações PSD/CDS-PP, perderam mais 800 mil votos nas autárquicas de domingo e a CDU foi a única formação partidária a aumentar a votação.

Os grupos de cidadãos reforçaram a votação em 118 mil votos relativamente às eleições de 2009 e o número de abstencionistas também subiu ¿ 4,5 milhões de eleitores preferiram não votar, mais 658 mil do que há quatro anos.

Estas são conclusões que se retiram dos resultados publicados pela Direção Geral da Administração Interna (DGAI).

A coligação CDU, do PCP e PEV, ganhou quase 13 mil votos, conseguido, nas autárquicas de domingo, 552 mil escrutínios.

Em termos de câmaras, a CDU teve mais seis câmaras do que em 2009, no Alentejo e na região de Lisboa e Setúbal.

O PS obteve o seu melhor resultado de sempre desde 1976, com 149 câmaras ganhas em listas próprias, e mais uma em coligação no Funchal, Madeira, com o BE, PND, MPT, PTP e PAN.

Segundo os resultados das eleições de domingo, apurados pela DGAI, o PSD, individualmente, foi quem mais perdeu votos: menos 426 mil votos.

Se sozinho teve uma quebra de 436 mil euros, o PSD, nas várias coligações com o CDS-PP, MPT e PPM, teve um balanço positivo de 49 mil votos.

Os sociais-democratas ganharam 86 câmaras em listas próprias e outras 20 em coligações: 16 com o CDS-PP, duas com CDS-PP e o PPM, uma com o PPM e uma com CDS-PP, PPM e MPT.

Passando de uma para cinco câmaras, o CDS-PP, nas alianças com vários partidos, como o MPT e PPM, conseguiu mais 16 mil votos.

O Bloco de Esquerda perdeu a única câmara que detinha, Salvaterra de Magos, e mais de 46 mil votos.