O candidato da «Plataforma de Cidadania» à presidência da Câmara de Lisboa nas próximas autárquicas, Nuno Correia da Silva, propõe criar uma taxa de dormidas na capital para financiar um banco do medicamento para apoiar os idosos da cidade.

Esta é uma das medidas do movimento, que junta os partidos Popular Monárquico (PPM), Portugal Pró Vida (PPV) e Nova Democracia (PND) no grande objetivo de transformar «Lisboa na capital das capitais».

«Propomos criar um banco do medicamento, um banco que garantirá a todas as pessoas de idade, que infelizmente hoje o orçamento familiar não permite comprar os medicamentos que precisam para viver, compensar [essa falha]. Em Lisboa ninguém poderá deixar de comprar medicamentos porque não tem dinheiro», disse à agência Lusa Nuno Correia da Silva, na apresentação pública da sua candidatura, que decorreu no Padrão dos Descobrimentos, em Belém.

O candidato adiantou que esse banco do medicamento será financiado através de uma «taxa de dormidas» de 50 cêntimos por noite por visitante, cerca de cinco milhões por ano, o que permitirá «uma receita de um milhão de euros por mês».

Entre as outras propostas está a criação de «um polo com as melhores universidades do mundo» e a utilização exclusiva de energia renovável na frota municipal.

A «Plataforma de Cidadania» candidata a atual deputada municipal do PPM Aline Hall à presidência da Assembleia Municipal de Lisboa e o mandatário de campanha, Gonçalo da Câmara Pereira, à presidência da Junta de Freguesia de Belém. O movimento apresentará candidatos às novas 24 freguesias da capital.

«Nós concorremos para ganhar. Sabemos que o caminho é longo, sabemos que outros vão bem à nossa frente, quer em meios, quer em votos. Mas acreditamos que não há votos contados nestas eleições, acreditamos que vamos ser uma surpresa, porque cada vez mais sentimos que as pessoas querem alternativa aos partidos tradicionais, que já não trazem novidade», afirmou Nuno Correia da Silva.

«Queremos ser eleitos em todos os órgãos do município. Estou certo de que vamos ganhar algumas freguesias de Lisboa», sublinhou.

Além deste candidato, são já conhecidos os candidatos do PS (António Costa), da coligação PSD/CDS-PP (Fernando Seara), da CDU (João Ferreira), do BE (João Semedo) e do PCTP/MRPP (Joana Miranda) à presidência da Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas de 29 de setembro.

O socialista António Costa lidera a Câmara de Lisboa, que é composta ainda por oito vereadores do PS (três de movimentos independentes eleitos nas listas socialistas), sete da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM e um da CDU.