O presidente recém-eleito da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta (PS), manifestou hoje a intenção de se coligar com o PSD e a CDU e de atribuir pelouros aos respetivos vereadores.

«Há uma intenção, que ainda não está concretizada, de atribuir pelouros na Câmara de Sintra aos dois vereadores do PSD e ao vereador da CDU. Queremos uma maioria absoluta no executivo e que eles governem connosco. Chegavam os dois vereadores do PSD, mas queremos também a CDU connosco», disse Basílio Horta à agência Lusa.

«Já houve encontros, penso que há abertura para que cheguemos a um entendimento, mas vamos ver se há acordo», acrescentou.

O PS elegeu em Sintra quatro vereadores nas eleições de domingo, os mesmos que o candidato independente Marco Almeida. Questionado se não estaria a colocar de parte o movimento que teve a segunda maior votação no concelho, o novo presidente salientou que «faz coligações com partidos e não com independentes», lembrando que Marco Almeida disse na campanha «não gostar de partidos» políticos.

«Não estamos a colocar ninguém de parte e o vereador Marco Almeida será bem tratado. Mas como ele disse durante a campanha, ou alguém disse por ele e ele não desmentiu, que não gostava de partidos, não quero que venha agora desmentir-se», sublinhou Basílio Horta.

Os socialistas conquistaram (com 26,8% dos votos) no domingo a câmara governada pelo social-democrata Fernando Seara, que teve como vice-presidente nos três mandatos Marco Almeida.

O cabeça-de-lista do movimento «Sintrenses com Marco Almeida» (que o criou em rutura com o PSD, depois de o partido ter escolhido Pedro Pinto para cabeça-de-lista) ficou em segundo lugar, com 25,4%, o PSD, que apresentou Pedro Pinto, registou 13,8%, enquanto a CDU, com Pedro Ventura, ficou em quarto lugar, com 12,5%.

O futuro presidente da Câmara de Sintra espera assim juntar aos quatro vereadores socialistas os dois eleitos pelo PSD e ao da CDU, ficando com uma maioria absoluta no executivo: sete vereadores contra quatro da candidatura de Marco Almeida.

Confrontado com o cenário de o cabeça de lista do PSD, Pedro Pinto, abdicar de ser vereador com pelouro na Câmara de Sintra, Basílio Horta disse que «fala de partidos e não de pessoas» no que à possível coligação diz respeito.