O PCP justifica os maus resultados nas eleições autárquicas na península de Setúbal e a perda de três câmaras municipais com realidades distintas em cada um dos concelhos, mas admite que os comunistas também não fizeram tudo bem feito.

Cada um dos nove concelhos tem uma realidade própria. Na península de Setúbal temos sítios onde avançámos em termos de votos e mandatos, sítios onde perdemos votos e mandatos e até a presidência de câmara", disse à agência Lusa Margarida Botelho, responsável da Direção da Organização Regional de Setúbal (DORS) do PCP.

A dirigente comunista da distrital de Setúbal considera que "não existe uma explicação simples, nem para os sítios onde reforçámos a votação nem para os sítios onde perdemos", admitindo, contudo, responsabilidades próprias do PCP, que "também não fez tudo bem".

Margarida Botelho assegura que o PCP vai aprofundar internamente as razões que poderão ter estado na origem do pior resultado de sempre da CDU na península de Setúbal para tentar recuperar as três autarquias perdidas daqui a quatro anos.

Naturalmente que consideramos negativa a perda das três câmaras, onde perdemos a presidência. Em Almada e Alcochete perdemos por uma pequeníssima margem de votos. Nós consideramos que é principalmente negativo para as populações deixarem de poder contar com o trabalho, honestidade e competência da CDU nestes órgãos autárquicos", disse.

Nós já tivemos a experiência, no caso concreto do Barreiro e de Alcochete, de perder a presidência da câmara durante um mandato e de a recuperar a seguir. É essa a nossa perspetiva em relação a essas três autarquias", concluiu Margarida Botelho.