O líder do PCP, Jerónimo de Sousa, afirmou esta noite que a reconquista da Câmara de Loures ao PS foi uma «vitória da democracia» porque a população do concelho «queria uma mudança».

Após ter festejado a vitória da CDU no município de Évora, Jerónimo de Sousa deslocou-se para Loures, onde se juntou a centenas de populares que festejam nas ruas a eleição de Bernardino Soares como novo presidente da autarquia.

«Foi uma vitória que encerra muita esperança e muita confiança. O povo de Loures queria uma mudança e isso sentia-se», afirmou Jerónimo de Sousa aos jornalistas.

O líder comunista reconheceu, no entanto, que a luta com os socialistas pela presidência da Câmara de Loures não foi fácil, afirmando mesmo que a CDU «partiu em desvantagem».

«Foi preciso aumentar quase o dobro face aos resultados de 2009. Era uma diferença enorme e à partida parecia que não era possível», sublinhou.

Jerónimo de Sousa congratulou-se ainda com o resultado da CDU a nível a nacional e reiterou que os «partidos de direita» saem «mais enfraquecidos e isolados» destas eleições.

Bernardino Soares foi eleito esta noite presidente da Câmara de Loures com 34.74 por cento dos votos contra 31.24 do candidato socialista João Nunes. A autarquia de Loures era gerida desde 2001 pelo socialista Carlos Teixeira que não se pode recandidatar devido à limitação de mandatos.

Antes de se deslocar a Loures, Jerónimo de Sousa tinha feito uma viagem «relâmpago» a Évora para festejar a reconquista pela CDU do emblemático município alentejano, onde afirmou que o resultado das eleições autárquicas de domingo «tem outra dimensão».

«Estamos em melhores condições para prosseguir a luta por uma política diferente, que tanto é precisa para o nosso país», disse aos jornalistas na sede de candidatura da CDU, localizada na Praça do Giraldo, a «sala de visitas» de Évora.

Na opinião do secretário-geral do PCP, os partidos da direita sofreram «uma pesada derrota, estão mais isolados, enfraquecidos e estão derrotadas».

Após os festejos da vitória em Évora com a presença de Jerónimo de Sousa, os apoiantes da candidatura da CDU celebraram a reconquista do município com uma caravana automóvel, que percorreu o centro da cidade.

Questionado pelos jornalistas, o líder comunista referiu que, «independentemente do resultado» das eleições, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, «vai reavivar aquela expressão "que se lixem as eleições" e vai querer continuar a prosseguir a sua obra de destruição».

«A grande mensagem que se pode acolher destas eleições foi a derrota pesada daqueles que executam uma política contrária aos interesses nacionais e da maioria do povo português. Essa é a grande leitura que nos dá mais animo e força para prosseguir até à derrota desta política e deste Governo», acrescentou.

Até ao momento, com 71 freguesias por apurar, a CDU conseguiu já 30 presidências de câmara, mais duas do que as 28 de 2009, 26 maiorias absolutas, 198 mandatos e mais de 500 mil votos.