O grupo parlamentar do PCP apresentou esta quarta-feira um projeto de resolução para aumentar de imediato o salário mínimo para 515 euros, com retroativos a 01 de junho. A ideia é chegar, gradualmente, aos redondos 600 euros, em janeiro de 2016.

«Apresentamos o aumento gradual, para programação, do salário mínimo nacional para 540 euros em janeiro de 2015, o aumento intercalar para 570 euros em junho de 2015, para que, efetivamente, em janeiro de 2016, corresponda aos 600 euros por mês. É uma proposta da mais elementar justiça», adiantou o deputado comunista Jorge Machado, citado pela Lusa. Está, ainda, por agendar o debate em plenário da Assembleia da República sobre este assunto.

«O Governo poderá ter um outro facto em mente, que é o calendário eleitoral e utilizar o aumento do salário mínimo como instrumento eleitoral», notou o deputado. «O Governo já está muito atrasado no cumprimento do acordo e, se é essa a perspetiva, dizemos aos portugueses que não se deixem enganar porque é o mesmo Governo que aumentou de forma significativa os impostos e contribuições que, na prática, retiraram poder de compra», acrescentou.

Segundo Machado, «há uma velha expressão que se usa muito no meio político: quando não se quer resolver nada, cria-se grupos de trabalho». «O Governo fez isso com mestria. Pretende passar a ideia de que está empenhado no aumento do salário mínimo. Isso é mentira. Utilizou a desculpa da troika, deixou de a ter e agora usa a desculpa da concertação social e da falta de acordo, não estando empenhado nesse mesmo acordo», disse, referindo-se aos encontros entre sindicatos, patrões e executivo.

O PCP reiterou as acusações a sucessivos governos, de PS, PSD e CDS-PP, por adiarem o cumprimento do acordo obtido em sede de concertação social em 2011, que fixava o salário mínimo em 500 euros, lembrando que 72% por cento da riqueza nacional ia para salários em 1975 face aos atuais 38% e o nível de salário mínimo noutros países - 735 euros em Espanha, 638 euros na Grécia, 1.462 euros na Irlanda ou 1.921 euros no Luxemburgo, por exemplo.