O ministro da Cultura, João Soares, reagiu, esta quinta-feira de manhã, a um artigo opinião de um cronista do jornal Público. João Soares “promete um par de bofetadas” a Augusto M. Seabra, que disse que o “’tempo novo’ é na cultura apenas o “tempo velho” dos hábitos socialistas”. A reação do ministro ao artigo de opinião já despoletou, por parte de um deputado social-democrata, a exigência da sua demissão, mas o PSD não vai tão longe. 

“Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir, não me cruzei com a personagem, Augusto M. Seabra, ao longo de todos estes anos. Mas continuo a esperar ter essa sorte. Lá chegará o dia”, escreveu o ministro no Facebook.

Por seu turno, no Público, o programador cultural, Augusto M. Seabra, escreveu, na edição de quarta-feira, que “a nomeação de João Soares para ministro da Cultura foi uma surpresa que permanece inexplicável já que passados quatro meses não afirmou uma linha de ação política, tão só um estilo de compadrio, prepotência e grosseria. De resto, não tinha qualificações particulares para o cargo”.

Augusto M. Seabra acusou “o gabinete de Soares” de ser “uma confraria de socialistas e maçons” e deste favorecer o “amiguismo”.  

O cronista deixou ainda críticas às mudanças no CCB, considerando que António Lamas foi “substituído de modo grosseiro”, tal como se questionou sobre “a esdruxula nomeação de alguém reticente à arte contemporânea, Pacheco Pereira, para administrador por parte do Estado de Serralves, Museu de Arte Contemporânea”.

 

 

Em 1999 prometi-lhe publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cuzei com a...

Publicado por João Soares em  Quarta-feira, 6 de Abril de 2016

 

 

Vasco Pulido Valente também é procurado para umas “salutares bofetadas”

Aproveitando o post na rede social, João Soares insurgiu-se ainda contra outro cronista do jornal, Vasco Pulido Valente, que, em inícios de março, numa coluna de opinião e a propósito do caso CCB, escreveu: “Como o dr. João Soares muito bem sabe, não tenho por ele qualquer respeito nem como homem, nem como político”.

“Estou a ver que tenho de o procurar, a ele e já agora ao Vasco Pulido Valente, para as salutares bofetadas. Só lhes podem fazer bem. A mim também”, escreveu, no final, João Soares. 

Os visados pelas “bofetadas” de João Soares já reagiram, em declarações ao jornal Público. Augusto M. Seabra considerou a a ameaça de João Soares como "inqualificável".

"Acho inqualificável que, num governo democrático, um membro desse governo faça ameaças de agressão física a alguém que usou do direito da opinião crítica", disse.

Já Vasco Pulido Valente afirmou: "Não sei o que é permitido e o que não é permitido neste Governo". E disse “ficar à espera, para me dar as bofetadas".

PSD critica, mas não pede a demissão

O deputado do PSD, Hugo Soares, falando em nome do PSD, criticou as afirmações do ministro da Cultura, mas não pediu a demissão do governante.

"Consideramos as declarações do ministro João Soares verdadeiramente inqualificáveis. São inqualificáveis tanto mais porque demonstram o padrão do PS na reação às críticas legítimas que lhe são feitas", afirmou Hugo Soares, em declarações aos jornalistas, no Parlamento.

"O PS não se pode afirmar como o paladino da liberdade de expressão às segundas, quartas e sextas e às terças e quintas comportar-se como `os donos disto tudo´", criticou Hugo Soares, segundo cita a Lusa.

Questionado se o PSD acompanha a posição do deputado social-democrata, Sérgio Azevedo, que defendeu, na sua página pessoal de Facebook, a demissão do ministro da Cultura, Hugo Soares afirmou que as opiniões pessoais dos colegas deputados "são opiniões que não vinculam o Partido Social Democrata".

 

Um ministro (sim com m pequeno, minúsculo) que promete "bofetadas" a um crítico, para além de ser um tipo pequenino, só tem um caminho: a demissão!

Publicado por Sergio Azevedo em Quinta-feira, 7 de Abril de 2016

O ex-bloquista, Daniel Oliveira, concorda com Sérgio Azevedo, e também ele pediu a demissão do ministro na rede social. 

 

Um ministro que ameaça fisicamente quem o critica não pode ser ministro. Depois deste post João Soares tem de se...

Publicado por Daniel Oliveira em  Quinta-feira, 7 de Abril de 2016

O Bloco de Esquerda disse ao Público que não se vai pronunciar pulicamente. O PS também optou pelo silêncio até ao momento.

João Soares apenas comentou o assunto com a Antena 1 sobre o assunto. Sem falar, no entanto, para os microfones, o ministro reiterou a declaração, segundo a rádio pública.

O post de João Soares no Facebook leva, neste momento, 867 partilhas e mais de 650 comentários.