A recém-empossada líder do CDS-PP tornou-se esta quinta-feira a primeira presidente dos democratas-cristãos a reunir com o PCP, apresentando cumprimentos à bancada parlamentar comunista, com o desejo de ser "oposição firme", mas em diálogo".

Assunção Cristas, primeira mulher à frente dos centristas, sucedendo a Paulo Portas no recente congresso de Gondomar, adiantou ainda não sentir qualquer urgência de revisão constitucional, designadamente quanto ao Banco de Portugal (BdP).

O CDS terá sempre uma postura de oposição muito firme e acutilante, que teremos oportunidade de ir marcando a cada momento, mas, ao mesmo tempo, uma postura de diálogo, de construção de alternativas", disse, no parlamento.

Cristas, que foi acompanhada pelas suas "vices" Teresa Anjinho e Ana Rita Bessa, reconheceu as "diferenças profundas de pensamento entre os dois partidos", mas defendeu que tem de existir um "relacionamento institucional cordato, educado".

Não declinamos conversar com ninguém", afirmou, depois de ser recebida pelo secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, o líder da bancada do PCP, João Oliveira, e a deputada comunista Paula Santos.

A minha preocupação é, primeiro, estudar várias matérias e, depois, aquilo que daí decorrer que implique revisão constitucional, colocar num papel à parte para se conversar de novo com os vários partidos. Esse é o método que procurarei seguir. Não tenho nenhuma urgência, nem sinto uma emergência para estarmos a iniciar agora um processo de revisão constitucional", esclareceu, relativamente à ideia de alterar a forma de nomeação do governador do BdP.

 

Cristas apresentou “de viva voz” ao BE as prioridades programáticas

A nova presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, esteve também reunida com uma delegação do Bloco de Esquerda (BE), apresentando "de viva voz" as "prioridades programáticas" do CDS-PP resultantes do congresso do passado fim de semana.

Do CDS, diz Cristas, o Bloco - que apoia parlamentarmente o Governo do PS - contará com uma "oposição muito viva, firme, acutilante", assente num "espírito de diálogo e estabilidade" e "ao mesmo tempo construtiva".

Assunção Cristas, que foi acompanhada pelas suas "vices" Teresa Anjinho e Ana Rita Bessa, esteve reunida durante perto de uma hora no parlamento com uma delegação do BE liderada pela porta-voz, Catarina Martins, e onde estiveram também os deputados Jorge Costa e Joana Mortágua e o dirigente Nélson Peralta.

O encontro com o BE foi o terceiro do dia da recém-empossada líder do CDS: antes, Cristas esteve com o partido ecologista "Os Verdes" e o Partido Comunista Português (PCP), e na sexta-feira tem um encontro agendado com elementos do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN).

A presidente do CDS-PP escusou-se a detalhar os "temas concretos abordados" na reunião com o BE, mas adiantou que a eutanásia não foi um dos assuntos trazidos para o encontro.