O CDS-PP vai chamar o Conselho de Finanças Públicas ao Parlamento para ouvir a entidade sobre os cenários macroeconómicos e inquietações que tem sinalizado, audição que pretende que seja realizada antes da discussão do Programa de Estabilidade.

Segundo explicou à agência Lusa a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, este pedido do grupo parlamentar centrista vai dar entrada ainda hoje, para que seja possível ouvir no parlamento o Conselho de Finanças Públicas “antes da entrada no parlamento do Programa de Estabilidade”.

Tomaremos a iniciativa de solicitar ao Conselho de Finanças Públicas que venha ao parlamento para ser ouvido sobre as questões que tem vindo a sinalizar de cenários macroeconómicos, indicadores macroeconómicos e das inquietações que considera prudente referir”, disse, recordando os “avisos sérios” quer do Conselho de Finanças Públicas e os recentes alertas do Banco de Portugal e do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre crescimento.

Assunção Cristas criticou a decisão do Governo de não apresentar agora o Programa de Estabilidade, considerando que “não é benéfico para o país querer tapar o sol com a peneira” e querer falar apenas de Programa Nacional de Reformas sem falar de Programa de Estabilidade.

O Programa Nacional de Reformas e o Programa de Estabilidade têm que ser entregues pelo Governo em Bruxelas até ao final do mês.

Portanto promoveremos também um debate e uma audição sobre as questões que têm a ver com este outro aspeto que está omisso, neste momento, nos agendamentos do parlamento”, justificou.

A líder do CDS-PP voltou a criticar o Programa Nacional de Reformas, vincando que este é “muito pobre, muito exíguo num conjunto de matérias que têm a ver com as empresas, com a competitividade da economia portuguesa”.

O CDS manterá a sua postura de denúncia e de crítica em relação aquilo que não está no plano e deveria estar, mas manterá a postura construtiva de apresentar alternativas e para cada debate temático apresentará propostas concretas de melhoramento do documento”, assegurou.

Ao contrário do que se passa “um pouco por toda a Europa em que o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas são discutidos em conjunto”, em Portugal, segundo Cristas, “o Governo entendeu não o fazer”.

Isso parece-nos que está a querer esconder o que está no Programa de Estabilidade”, criticou.

A líder do CDS-PP continua hoje o seu périplo de encontros com os partidos e com os parceiros depois da sua eleição como presidente centrista, tenho reuniões com a Confederação de Turismo Português e com a Confederação Empresarial de Portugal.