O primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, saudou neste domingo o Presidente argelino, Abdelaziz Bouteflika, pela sua reeleição e manifestou o compromisso de Portugal em aprofundar os laços de amizade e a cooperação com a Argélia.

«Neste momento que acaba de ser reeleito com grande sucesso para o mais alto cargo da República da Argélia, gostaria de expressar as minhas sinceras felicitações, bem como os meus melhores votos de sucesso», indicou a mensagem de felicitações enviada pelo chefe do Governo português.

O presidente argelino Abdelaziz Bouteflika, de 77 anos e há 15 na presidência da Argélia, foi reeleito para um quarto mandato com 81,53% dos votos. As eleições presidenciais argelinas decorreram na passada quinta-feira.

Na mensagem, Pedro Passos Coelho exprimiu ao líder argelino eleito «o sólido apoio de Portugal» e o «total compromisso» do executivo português «para aprofundar os laços estreitos de amizade e a excelente cooperação entre os dois países».

Portugal e Argélia realizam cimeiras bilaterais desde 2007.

«Estou convencido que este novo mandato (...) irá permitir-lhe prosseguir com as reformas ambiciosas que assumiu e os progressos consideráveis que foi capaz de promover para garantir o desenvolvimento económico e social do seu país, bem como a prosperidade de todos os argelinos», realçou ainda o chefe do Governo português.

Abdelaziz Bouteflika sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) em abril de 2013 e esteve quase um ano sem aparecer publicamente.

O político, que ainda recupera do AVC e que se deslocou de cadeira de rodas para votar nas eleições presidenciais, teve agora menos votos do que nas eleições de 2009 e 2004 (90% e 85%, respetivamente).

Em 1999, quando ganhou o seu primeiro mandato, obteve 75% dos votos.

Entretanto, o principal opositor de Bouteflika, o ex-primeiro-ministro Ali Benflis, recusou-se, na sexta-feira, a reconhecer a reeleição.

«Não reconheço o resultado, (porque) reconhecê-lo seria ser cúmplice de fraude», afirmou Ali Benflis numa conferência de imprensa, depois de ter sido anunciado que tinha obtido 12,18% dos votos.