Notícia atualizada às 13:34

António José Seguro, líder cessante do PS, renunciou esta quarta-feira ao mandato de deputado na Assembleia da República, apurou a TVI.

Logo na noite das eleições primárias no Partido Socialista, após a confirmação da vitória de António Costa, António José Seguro comunicou a demissão do cargo de secretário-geral do PS, adiantando que regressaria à sua condição de militante de base.

«Compareço perante vós para cumprir a minha palavra. Cesso hoje as minhas funções como secretário-geral do Partido Socialista», disse Seguro na noite das eleições primárias.

Na hora da despedida, disse estar orgulhoso de ter «servido Portugal através do PS» e agradeceu a todos os socialistas que «o elegeram duas vezes como líder» e lhe deram a oportunidade de «servir o país».

Seguro comunicou também formalmente a renúncia ao lugar de membro do Conselho de Estado, cargo para o qual fora eleito pela Assembleia da República, por entender que a sua nomeação decorrera do facto de ser secretário-geral do PS. A renúncia aconteceu um dia depois de sido derrotado pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, nas eleições primárias para a escolha do candidato do PS a primeiro-ministro.

Na última semana, Seguro esteve ausente do parlamento, mas deputados socialistas que foram seus apoiantes na corrida das primárias admitiram que essa ausência seria temporária e que Seguro regressaria em breve ao parlamento.

Seguro deverá agora regressar à docência no Ensino Superior, já que terá recebido e aceitado um convite para lecionar numa universidade. 


Recorde-se que no discurso em que reconheceu a derrota nas primárias do PS, frente a António Costa,António José Seguro afirmou que ia voltar à condição de militante base.


O presidente do Grupo Parlamentar do PS, Ferro Rodrigues, considerou esta quarta-feira «perfeitamente» compreensível a decisão de António José Seguro renunciar ao seu mandato de deputado e adiantou que já enviou ao secretário-geral demissionário votos de felicidades pessoais. 


«Recebi ao fim desta manhã um email do meu camarada António José Seguro informando-me que ia renunciar ao seu mandato de deputado. Sobre isso, só tenho a dizer que compreendo perfeitamente a situação e que já tive a ocasião de lhe enviar os meus votos de maiores felicidades pessoais nesta nova fase das sua vida», declarou o líder da bancada socialista, que se recusou a fazer mais comentários sobre o assunto. 


Já presidente do PS, Maria de Belém Roseira, considerou que a decisão de António José Seguro de renunciar ao mandato de deputado resulta de «uma ponderação pessoal», salientando que essa opção deve ser respeitada.


«É uma decisão que resulta de uma ponderação pessoal que deve ser respeitada. Vem na linha das últimas decisões que o dr. António José Seguro entendeu tomar. É uma decisão que merece ser respeitada», frisou a ex-ministra dos governos de António Guterres.

Interrogada sobre os motivos da decisão tomada por Seguro e se espera que regresse mais tarde à vida política ativa, Maria de Belém respondeu: «Cada um de nós tem a sua natureza e circunstância».

«Não me cabe a mim fazer diagnósticos prospetivos. É uma questão que deve ser colocada ao próprio», sustentou Maria de Belém.