O secretário-geral do PS, António José Seguro, defendeu esta noite a criação nos Açores de «uma agência oceanográfica internacional», assumindo este compromisso em nome de um «Projeto de mudança».

«Um dos projetos nacionais que nós temos no nosso contrato de confiança é o de criar nos Açores uma Agência Oceanográfica Internacional que possa ajudar ao estudo dos oceanos, ao desenvolvimento da exploração sustentável dos oceanos e que com isso possa ajudar à criação de conhecimento ao serviço da nossa economia, mas que possa aproveitar os melhores recursos que temos no país, em termos de investigação e produção de conhecimento a partir dos Açores», disse o candidato às primárias do PS de dia 28.

António José Seguro falava durante um jantar com simpatizantes e militantes do partido no Convento dos Frades, na Lagoa, ilha de São Miguel, onde também defendeu para o Porto de Sines «uma plataforma logística do mais moderno e desenvolvido que há no mundo».

«Para poder acolher navios de grande porte, de modo a que nós sejamos uma plataforma logística na distribuição dos nossos produtos, quer pela Europa quer pela Península Ibérica, e por isso também defendemos que esse porto de Sines deve ter uma ligação ferroviária a Espanha de modo a potenciar todas as capacidades deste mesmo porto marítimo. Sines tem todas as condições para ser uma plataforma continental, uma janela aberta ao mundo», disse.

Seguro disse que os Açores «são fundamentais nesse processo de criação de uma nova economia», de economia azul que aproveita os recursos que estão no mar para projetar novas áreas de negócio em termos internacionais.

O candidato às primárias, que defronta António Costa a 28 de setembro, relembra que o Projeto de Mudança tem como prioridade «o crescimento da economia» e como ponto importante «a conceção e o desenvolvimento de um estado moderno» e que sempre defendeu a autonomia dos Açores.

«Eu não venho aqui dizer que sou um defensor da autonomia dos Açores porque dá jeito, quem me conhece, ao longo da minha vida política, sabe que sempre apostei na autonomia regional e dos Açores porque hoje a organização moderna de um estado não dispensa o contributo de quem está no terreno, de quem conhece as populações, os seus problemas e as suas potencialidades», afirmou.

António José seguro relembrou ainda que no ano de 2004, enquanto líder do grupo parlamentar do PS, tudo fez para «desbloquear um bloqueio que existia em matéria de revisão constitucional e garantir uma nova revisão da constituição de modo a reforçar a autonomia dos Açores e da Madeira».