O secretário-geral do Partido Socialista afirmou que é necessário «quebrar o centralismo» em Portugal, considerando que, quanto mais autonomia tiver o poder local, melhores serviços presta à população.

«Precisamos de quebrar o centralismo, quebrar essa cultura centralista que, muitas das vezes, a única coisa que só faz é concentrar o poder, dificultando a resolução dos problemas concretos da população», disse António José Seguro.

Seguro foi recebido pelo presidente da Câmara de Santo Tirso (PS) nos Paços do Concelho.

«Precisamos de aproveitar todos os recursos do país e a nossa capacidade para que o nosso país possa vencer essa cultura centralista que existe no nosso país de gente que, muitas vezes, tem os meios e recursos, mas não sabe utiliza-los em tempo oportuno», frisou.

O líder socialista lembrou que há problemas que são «mais bem resolvidos» se os presidentes de câmara, vereadores e juntas de freguesias tiverem meios para agir.

Por esse motivo, António José Seguro considera que o país precisa de uma «verdadeira reforma» do Estado.

A reorganização administrativa, disse, deve ser feita de baixo para cima e do Terreiro do Paço para o território nacional.

«Uma reorganização feita a régua e esquadro não corresponde à vontade das pessoas», realçou.

O líder do PS salientou ainda que quem quer governar o país, tal como ele o deseja, deve conhecer «todos os cantos» do território, escutar as populações e estar próximo dos municípios.