O secretário-geral do PS defendeu, este domingo, que Portugal deve dizer claramente à missão da troika que o país precisa de mais tempo para equilibrar as contas públicas, porque há mais pobres e muitos portugueses a sofrer.

António José Seguro fez esta referência na véspera da visita da troika a Portugal, durante o comício de apoio à candidatura socialista de José Junqueiro à Câmara Municipal de Viseu.

Depois de um discurso crítico em relação às desigualdades sociais em Portugal, o líder socialista disse que, ao contrário do Governo, ele sabe o que dizer à troika para defender a posição nacional.

«A troika vem amanhã [segunda-feira] a Portugal para mais uma avaliação e o país desconhece qual a posição do Governo, porque o Governo fala a várias vozes, quando deveria ter uma posição firme. No PS há coerência e firmeza nas suas posições: só conseguiremos sair desta situação se Portugal tiver mais tempo para equilibrar as suas contas públicas. É necessário dizer isso à troika», sustentou Seguro.

No entanto, o secretário-geral do PS considerou que a troika e o Governo têm sido insensíveis a uma posição mais favorável ao crescimento e ao emprego.

«Só podem ser insensíveis ao sofrimento e à dor ou quem é muito frio ou quem não conhece o país, porque há de facto muita gente a sofrer e há muita pobreza no nosso país», declarou o líder socialista.

Seguro defendeu mesmo que «entra pelos olhos de todos» a realidade nacional de maior empobrecimento e que não cumpre qualquer objetivo de consolidação orçamental.

«O Governo e a troika não conseguiram alcançar uma única meta orçamental. O que falta à troika e ao Governo para perceberem que têm de mudar de caminho?», interrogou-se Seguro.