O secretário-geral do PS, António José Seguro afirmou hoje que a proposta do Governo para o Orçamento de Estado (OE) para 2014 «não é reformável» seguindo um caminho de austeridade que não é o dos socialistas.

Questionado por jornalistas portugueses sobre a manchete de hoje do semanário Expresso que noticia que o Presidente [da República] «quer que o Governo estude propostas do PS», António José Seguro disse desconhecer novas declarações do chefe de Estado.

«Não conheço nenhuma declaração feita pelo senhor Presidente da República», disse em Madrid, considerando porém que «este OE é um OE que não é reformável».

Para o líder socialista é «fundamental que o governo apresente as suas propostas no parlamento» e que, depois disse, o PS apresentará as suas.

Seguro falava a jornalistas portugueses depois de uma reunião de 45 minutos em Madrid com o líder do PSOE, Alfredo Pérez Rubalcaba, à margem da Conferência Política dos socialistas espanhóis.

Reiterando declarações que proferiu em Madrid na sexta-feira, Seguro afirmou que o orçamento apresentado pelo Governo segue um caminho que não é o caminho defendido pelo PS.

«Um caminho de mais austeridade e consideramos que a austeridade que está a ser aplicada aos portugueses produz imensa dor, sacríficos e não resolve nenhum problema», disse.

«Não cumpre nenhum problema orçamental, a dívida não para de aumentar, e tem um elevado custo do ponto de vista social e do ponto de vista económico», sublinhou.

Seguro intervém hoje, na Conferência Política do PSOE, num painel de debate sobre a globalização ao lado do ex-presidente do Governo espanhol, Felipe González.