António Guterres voltou a ser o candidato mais votado na corrida que vai eleger o próximo secretário-geral da ONU. A segunda votação no Conselho de Segurança das Nações Unidas foi realizada esta sexta-feira. 

Na votação de hoje, António Guterres teve 11 votos de “encorajamento”, dois de “desencorajamento" e dois “sem opinião”.

O antigo primeiro-ministro português já tinha ficado à frente numa primeira votação secreta ocorrida a 21 de julho, em Nova Iorque.

Na primeira ronda, o ex-primeiro-ministro português recebeu 12 votos de encorajamento, três “sem opinião” e não teve nenhum voto contra a sua candidatura à liderança da ONU.

Nesta segunda votação, um candidato teve um comportamento surpreendente: Vuk Jeremic, da Sérvia, que alcançou o segundo lugar com oito votos favoráveis, mas quatro "desencoraja" e três sem opinião.

Em terceiro lugar, ficou Susana Malcorra, também com oito votos "encoraja", mas seis votos desfavoráveis e apenas um "sem opinião".

O ex-Presidente esloveno Danilo Turk, que tinha ficado em segundo lugar na primeira votação, a 21 de julho, desce agora para quarto lugar com sete votos positivos, cinco negativos e três sem opinião.

Irina Bokova, que cumpre os dois requisitos que têm sido indicados nesta eleição - ser da Europa de Leste e mulher -, tem um resultado dececionante, com sete votos de desencorajamento, o mesmo número de países que encoraja a sua candidatura (apenas um não indicou opinião).

No fim da lista, surge Helen Clark, da Nova Zelândia. Os últimos lugares ficaram com Miroslav Lajcak, da Eslováquia, Christiana Figueres, da Costa Rica, Natalia Gherman, da Moldávia, e Igor Luksic, de Montenegro.

Vesna Pusic, da Croácia, desistiu da eleição na quinta-feira, restando agora seis homens e cinco mulheres na corrida.

A organização espera ter encontrado o sucessor de Ban Ki-moon, que termina o seu segundo mandato no final do ano, durante o outono.