"Que este ato permita que o país, agora que todos os atos eleitorais estão concluídos, entre em plena normalidade democrática", afirmou António Guterres aos jornalistas na Fundação de Serralves, no Porto.





Corrida à ONU é “obrigação” de “pôr a render” as suas experiências



“Tudo o que aprendi ao longo da vida, em todas as enormes oportunidades que me foram oferecidas, me cria a obrigação de estar disponível, numa lógica que sempre foi de serviço público e num mundo em situação muito difícil, de pôr a render essas experiências e capacidades ao serviço das causas mais nobres, que são a paz, direitos humanos, causas humanitárias e sustentabilidade do planeta”, afirmou Guterres na segunda-feira à noite, na Fundação de Serralves, no Porto.













“Depois tive esta extraordinária oportunidade de trabalhar dez anos no apoio aos refugiados, algo que me abriu as portas a tudo quanto é vital nas relações internacionais”, sustentou.