O secretário-geral do PS reiterou esta quarta-feira que é de «uma enorme imprudência o Estado abdicar da sua participação no capital da TAP», acusando o executivo de ser incapaz de dialogar com a oposição ou os trabalhadores.

«O ideal seria que fosse possível encontrar uma solução de diálogo que poupasse o país aos custos deste conflito. Mas a responsabilidade deste conflito é inteira e exclusiva deste Governo que nem com a oposição, nem com os trabalhadores da TAP foi capaz de manter qualquer diálogo», afirmou o líder socialista, António Costa à saída de um encontro com o Presidente da República, no Palácio de Belém.

O líder socialista também falou sobre as legislativas de 2015, afirmando que o melhor para o país é uma maioria do PS e que o próximo Governo deve ser «uma escolha direta dos portugueses» e não resultar de um «jogo partidário».

«O país na situação em que está não pode arrastar-se meses na incerteza de qual é a forma de Governo que vai ter, os portugueses não devem desperdiçar a oportunidade de serem eles a escolher o Governo que vão ter e não deixarem isso ao jogo partidário, deve ser uma escolha direta dos portugueses e é desejável que assim seja, por isso o nosso objetivo é que haja uma maioria», afirmou.


Aludindo à sua intervenção na terça-feira, num jantar com o grupo parlamentar do PS, António Costa disse que se terá expressado mal ou sido «mal compreendido» sobre a fórmula política do Governo do Bloco Central, reiterando que apenas elogiou o exemplo de Mário Soares «e não propriamente essa fórmula de Governo em concreto».