O secretário-geral do PS admite demitir-se se perder para António Costa as eleições primárias para escolha do candidato do partido a primeiro-ministro, disse este domingo fonte da direção socialista.

António José Seguro «já disse publicamente que, no caso de não vencer as eleições primárias, saberá tirar as devidas ilações políticas», referiu a fonte oficial, acrescentando «leia-se, demite-se».

A mesma fonte da direção socialista recusou que a proposta apresentada por Seguro na Comissão Nacional realizada no sábado no Vimeiro, Torres Vedras, para escolher o candidato do partido a primeiro-ministro através de «eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS» signifique uma liderança bicéfala.

«Só há lideranças bicéfalas quando duas pessoas desempenham a mesma função. É o caso do BE», referiu, indicando que esse não seria o caso do PS se António Costa «ganhar as primárias» para candidato a primeiro-ministro.

Se «não for António José Seguro o mais votado, ele próprio abdicará do seu mandato de candidato a primeiro-ministro a favor de António Costa. Este procedimento é possível de ser concretizado sem ser necessário qualquer alteração de estatutos, como o secretário-geral explicará na próxima reunião da Comissão Política Nacional», convocada hoje para quinta-feira, acrescentou a mesma fonte.

A fonte da direção socialista disse ainda que António José Seguro «quer que esta eleição seja concretizada o mais rapidamente possível» e «solicitou já à presidente do PS, Maria Belém Roseira, que mandasse recolher os regulamentos de eleições primárias semelhantes já realizadas em França e em Itália e a realizar em Espanha».