O candidato à Presidência da República Sampaio da Nóvoa assegurou este sábado, a propósito da situação do BANIF, que confia na forma como o primeiro-ministro, António Costa, está a tratar do assunto.

"As declarações que foram feitas, em particular pelo senhor primeiro-ministro, merecem todo o meu apoio", afirmou, Sampaio da Nóvoa, acrescentando: "Confio plenamente em quem está a tratar do assunto".


Ainda sobre o dossiê BANIF, em particular, e a banca em geral, Sampaio da Nóvoa sublinhou que "os contribuintes já foram muito penalizados em relação a essas matérias".

"Devemos aprender com os erros do passado", exclamou, em declarações aos jornalistas, depois de ter inaugurado a sua sede de campanha em Fafe, onde recebeu o apoio do presidente da Câmara, o socialista Raul Cunha.


O candidato defendeu, por isso, haver a necessidade de se encararem “de forma coerente e consistente novas modalidades de regulação do sistema bancário", correspondendo a "uma fase da nossa vida em Portugal, mas também na Europa e até no mundo".

"Temos de encontrar novas formas de regulação do sistema bancário que permitam que situações como estas não voltem a acontecer e que possa haver uma resposta mais pronta e eficaz a situações que se vivem nalguns bancos", disse Sampaio da Nóvoa.


Ainda sobre aquela instituição bancária e a existência de propostas para a sua aquisição, disse esperar que seja possível "concretizar uma dessas operações e que um dos compradores ofereça condições positivas que não levem à necessidade de orçamentos retificativos, nem de outras soluções".

Questionado pela agência Lusa sobre o apoio que tem recebido de alguns autarcas e ex-autarcas socialistas do norte do país e se esse dado aponta para uma maior aproximação do PS à sua candidatura, Sampaio da Nóvoa recordou haver figuras de vários quadrantes, "felizmente muitas pessoas do PS", que têm manifestado apoio.

"Foi tudo o que eu sempre pedi, desde que há oito meses me lancei nesta candidatura, dizendo que não esperava por ninguém, que não estava dependente de ninguém. Quero, nesta candidatura, que tem a marca da independência, pessoas que se reconheçam no programa e na carta de princípios", afirmou.


Para o candidato, "certamente que estes apoios e adesões são absolutamente essenciais para travar um combate contra o candidato Marcelo Rebelo de Sousa, que representa os rostos do passado".

"É o candidato oficial de Passos Coelho e Paulo Portas, e que, nesse sentido, representa uma outra ideia do país, certamente legítima, mas que é contrária àquela que eu represento", frisou.

Sampaio da Nóvoa participou num almoço em Fafe, com cerca de 400 apoiantes.