O Partido Socialista (PS) e o Partido Ecologista "Os Verdes" estiveram esta sexta-feira reunidos em Lisboa num encontro que o líder socialista classificou como "muito produtivo" e pela dirigente ecologista Heloísa Apolónia como "útil".

Questões como a "garantia da não privatização do setor das águas", e outras matérias em torno de áreas como a política energética, os transportes públicos e medidas de proteção da natureza foram afloradas no encontro, realçou António Costa, secretário-geral do PS, no final de mais de uma hora de conversa entre delegações de ambos os partidos.

Já esta semana o PS havia tido um encontro com o PCP classificado como útil, mas esta manhã a reunião com PSD e CDS-PP foi descrita como "bastante inconclusiva" sobre as condições de governabilidade do país depois das legislativas de domingo, que a coligação de centro-direita venceu sem maioria absoluta.

Do lado ecologista, a deputada Heloísa Apolónia vincou que PSD e CDS-PP "prometeram continuidade e perderam maioria no parlamento português", e a oposição "não se pode esconder perante este resultado".

"Tem de haver uma leitura real daquela que é a atual composição do parlamento português. Nesse sentido consideramos que é nossa responsabilidade também entrar neste processo de conversação no sentido de criar uma alternativa governativa", declarou a responsável, para quem os portugueses lançaram um "SOS" no sufrágio de domingo reclamando uma alternativa de políticas.


Além do secretário-geral, António Costa, o PS esteve representado neste encontro com "Os Verdes" pelo seu presidente, Carlos César, pelo coordenador do cenário macroeconómico socialista, Mário Centeno, e pelos dirigentes nacionais Ana Catarina Mendes e Pedro Nuno Santos.

Heloísa Apolónia, por seu turno, esteve acompanhada pelos dirigentes ecologistas José Luís Ferreira e Manuela Cunha.

Ficaram já acordadas duas outras reuniões entre PS e "Os Verdes", encontros de cariz mais técnico a terem na terça-feira e na quarta-feira, vincou Heloísa Apolónia.