O PS propôs à coligação que a reunião para discutir as condições de governabilidade do país se realize as 18:00 desta terça-feira. Mas os socialistas continuam à espera de receber a actualização do cenário macro-económico que sustenta o programa da coligação.

Na reunião com Passos Coelho e Paulo Portas, António Costa pediu esse documento, justificando que sem esses dados nem sequer havia bases sólidas para negociações.

Segundo apurou a TVI, a coligação ficou de enviar a atualização do cenário macro-económico, mas o documento não acompanhou a proposta que a PAF enviou para o Largo do Rato esta segunda-feira à tarde, à qual a coligação chamou de "documento facilitador de um compromisso" entre as duas partes "para a governabilidade de Portugal".

Essas propostas chegaram à sede do PS pouco antes da reunião entre o secretário-geral socialista e o Presidente da República.

Nesse encontro, que durou duas horas, Costa vincou a Cavaco Silva que está a trabalhar numa "plataforma de Governo" e que todos os contactos que manteve até agora, incluindo com PCP e BE, foram profícuos e dentro do respeito pelos compromissos de Portugal no euro e na União Europeia. 

Esta terça-feira, há outros encontros na agenda. As equipas técnicas do PS e do PCP, sem a presença dos líderes, vão reunir-se para acertar pontos de convergência. Na quarta-feira, os encontros são com o Bloco de Esquerda.

Na primeira reunião com entre o PS e o BE, António Costa disse que os dois partidos se aproximam de uma  "solução governativa estável". Sobre o primeiro encontro com o PCP, o líder socialista disse que "há condições para desenvolver um trabalho sério”