O candidato às eleições primárias do PS António Costa apontou o exemplo de Pedro Abrunhosa, que hoje lhe manifestou o seu apoio, para afirmar que «esta escolha não é uma questão que diga respeito ao PS, é uma questão nacional».

«O exemplo do Pedro Abrunhosa que se mobilizou não só para cantar, para estar nos palcos, mas também para estar aqui, para se inscrever como simpatizante e fazer a sua escolha, é um exemplo de mobilização que todos temos que ter», afirmou Costa, no final de um breve encontro que manteve na zona dos Clérigos, na baixa portuense, com o cantor Pedro Abrunhosa.

O candidato referiu que o movimento que lançou de mobilizar Portugal «dirige-se ao conjunto da sociedade portuguesa. Temos que usar o melhor das nossas energias, para poder estancar esta crise, inverter o ciclo e poder relançar o país com confiança no futuro».

«Não é possível continuar esta descrença, este desânimo, este abatimento que caiu sobre nós. Pelo contrário, temos de mobilizar as nossas forças, enfrentar os problemas, resolvê-los e seguir em frente com confiança. Esse trabalho começa nesta participação nestas primárias, mas tem que seguir daqui até as legislativas e depois das legislativas com o trabalho de mobilização do país», sublinhou.

A uma semana das primárias do PS, marcadas para o próximo domingo, o candidato insiste na necessidade de mobilizar «o conjunto da sociedade portuguesa para os problemas do país».

«Quando eu tenho defendido a necessidade de uma agenda para a década é a necessidade de o país ter uma visão estratégica, de ter um programa de médio/longo prazo que possa ser uma base de compromissos políticos e de um acordo de concertação social estratégico que permita mobilizar o conjunto das forças para políticas que só são possíveis de prosseguir se tiverem continuidade», disse.

Em seu entender, «para ganhar estabilidade é agora necessário fazer mudança e fazer mudança significa travar este Governo, mudar o Governo e relançarmos uma capacidade de mobilização de agregação das energias nacionais para o futuro».

Em declarações aos jornalistas, Pedro Abrunhosa justificou o seu apoio a António Costa por considerar ser ele o candidato que «dá garantias de inflexão das políticas que tem sido levadas a cabo, de alguma subserviência da economia à finança, e também a garantia de proximidade em relação as pessoas».

«O que é necessário é uma nova maneira de enquadrar o país na Europa, de combater a eterna mentira de que a dívida é uma culpa dos portugueses quando a divida é culpa de más politicas seguida por governos consecutivos e por uma Europa que também tem sido não muito bem gerida», afirmou o cantor.