O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Poiares Maduro, acusou esta sexta-feira o socialista António Costa, de insistir de forma «pouco séria» «num erro» sobre os fundos comunitários, afirmando que está a confundir «quilos com metros».

«Portugal é simplesmente o Estado da União Europeia com a melhor taxa de execução dos fundos comunitários. Não vai investir menos no próximo ano», afirmou Poiares Maduro, em declarações aos jornalistas no parlamento, numa reação a afirmações do presidente da Câmara de Lisboa e candidato socialista a primeiro-ministro, António Costa, proferidas na quinta-feira no programa Quadratura do Círculo, na SIC.

Segundo Poiares Maduro, «os erros de António Costa repetem-se» em matéria de fundos comunitários, porque o autarca, considerou, «está a confundir movimentos financeiros com investimento».

«E confrontado com essa confusão, limitou-se a dizer que acertou nos movimentos financeiros. É um pouco como alguém que confunde quilos com metros e confrontado com isso diz que acertou nos quilos ainda que estivesse a medir distâncias», ironizou.

«Isto demonstra bem a falta de seriedade e de responsabilidade com que dr. António Costa tem falado sobre a matéria», criticou.

Por sua vez, o PS acusa ministro de falta de coragem política ao escolher os Passos Perdidos do parlamento e não o debate do Orçamento para falar sobre fundos comunitários.

Esta posição foi assumida pelo vice-presidente da bancada socialista Vieira da Silva, pouco depois de Miguel Poiares Maduro ter atacado o candidato do PS a primeiro-ministro, António Costa, pelas críticas que tem feito à forma como o Governo tem gerido o processo de aplicação de fundos comunitários.

«O ministro responsável pelos fundos estruturais veio aqui aos Passos Perdidos [um corredor adjacente ao hemiciclo] fazer declarações a propósito das intervenções de António Costa sobre a execução dos fundos comunitários em Portugal. Estranho que, depois de quase dois dias de debate orçamental, o Governo não tenha tomado a decisão de integrar esses esclarecimentos no debate, o que revela da parte do ministro e do Governo uma grande falta de coragem política», acusou.

De acordo com Vieira da Silva, o PS «continua a dizer que os portugueses desconhecem a execução do Quadro Comunitário de Apoio, mas também a preparação do chamado acordo de parceria».

«Foi essa a ideia que todos os parceiros sociais nos transmitiram. São sucessivamente anunciadas aprovações de programas operacionais, mas nada disso se confirma e o Governo vai sempre empurrando para a frente. Só conhecemos promessas, que não encontram confirmação nos dados orçamentais», referiu o ex-ministro socialista.