O Tratado Orçamental proporcionou um dos momentos mais acalorados do debate entre António Costa e Passos Coelho, esta quinta-feira. O líder socialista acusou o primeiro-ministro de ser "embirrento" e, por sua vez, o chefe do Executivo PSD/CDS-PP acusou o PS de fazer demagogia, reiterando que o défice vai ficar abaixo dos 3% este ano.

O secretário-geral socialista começou por dizer que atualmente a Comissão Europeia já interpreta o Tratado Orçamental com uma maior flexibilidade e que, nesse sentido, o país deve ambicionar ter uma "folga" ainda maior. António Costa afirmou que é necessário ter uma "visão" que não impeça "a realização dos investimentos necessários"

"Temos que ajustar o ritmo de consolidação as condições de crescimento e temos que ter uma visão que não nos impeça realizar os investimentos necessários para a convergência." 


Costa acusou Passos de ser "embirrento".

"Sei que lhe disseram que tem de ser embirrento, mas não lhe fica bem."


Por seu turno, Passos disse que os socialistas têm feito muitas demagogia e que essa flexibilidade referida por Costa só é possível se o défice orçamental ficar abaixo de 3%, reiterando que o país vai conseguir esse valor este ano.

"O PS tem feito muita demagogia. Os países têm que ter um défice orçamental abaixo de 3% para ter essa flexibilidade. Coisa que teremos este ano."


Mais sobre o debate:​

O que eles dizem sobre o (des)emprego

Costa quer prestações sujeitas a condições de recurso, sem esclarecer quais

"Baixaram o IVA, aumentaram salários e comemos com um resgate"

Gestão da dívida: a "lata" de Passos ou a "inverdade" de Costa?

Costa não descarta intervenção militar para resolver crise de refugiados

Costa demarca-se do Syriza, Passos rejeita mudar de posição na UE