O coordenador autárquico do Bloco de Esquerda, Pedro Soares, considerou hoje «lamentável» que o presidente da Câmara de Lisboa tenha afirmado que os incidentes no Bairro Portugal Novo são um «caso de polícia».

«Não se pode virar as costas a um problema que está no coração da cidade, não se pode continuar a virar as costas àquela gente», disse à agência Lusa Pedro Soares.

O dirigente bloquista considera que o presidente da Câmara, António Costa (PS), proferiu «declarações lamentáveis» sobre os incidentes de domingo à noite.

«Neste momento, aquele é um caso de polícia», disse António Costa, referindo que as habitações não são propriedade da autarquia e que «assaltar uma casa ou dar tiros não é um problema urbanístico, é um crime».

Pedro Soares afirmou que «ninguém pediu ao senhor presidente que resolva o caso de polícia que aquele problema também envolve» mas defende que o autarca não pode ser «indiferente» aos «problemas urbanísticos e sociais» do Bairro.

«A Câmara tem responsabilidades e já assumiu responsabilidades nessa matéria», argumentou.

Segundo o dirigente do Bloco de Esquerda, um relatório de 2004 realizado pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), o Instituto da Habitação e a Câmara, concluiu que é «possível e viável economicamente reabilitar o Bairro».

Pedro Soares não coloca de lado outras soluções, nomeadamente a demolição, considerando que o mais importante é que a autarquia «acelere procedimentos, para, em conjunto com o Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, enfrentar o problema».

O antigo vereador substituto na Câmara de Lisboa recorda que a autarquia aprovou por unanimidade no anterior mandato uma proposta do Bloco de Esquerda, na altura representado pelo vereador José Sá Fernandes, defendendo uma intervenção conjunta do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana e da Câmara para reabilitar o Bairro.

Reforçado o policiamento do bairro

O Comando Metropolitano de Lisboa anunciou hoje ao início da tarde a detenção de um homem de 26 anos suspeito de participar no tiroteio de domingo nas Olaias, na posse de uma arma carregada com munições.

O homem foi detido às 23:30 de domingo em Carnaxide, por polícias da Esquadra de Investigação Criminal da Divisão de Oeiras, vestidos à civil, que o reconheceram «de algumas entrevistas televisivas» sobre os distúrbios nas Olaias.

O policiamento no Bairro foi reforçado por parte da Unidade Especial de Polícia, através do Corpo de Intervenção, deslocado para o local para restabelecer a ordem pública.