Ao participar na sessão de encerramento da Convenção Regional do PS do Algarve, em Portimão, António Costa criticou Pedro Passos Coelho pelas declarações proferidas na sexta-feira na Assembleia da República, onde o primeiro-ministro afirmou que as pessoas com rendimentos mais baixos não tinham sido sujeitas a cortes.

“O que o primeiro-ministro disse não é, pura e simplesmente, verdade e é por estas e por outras que a credibilidade se mina relativamente a este primeiro-ministro”, disse António Costa, no Teatro Municipal de Portimão.

António Costa recordou que o primeiro-ministro disse que “as pessoas com rendimentos mais baixos não foram objeto de cortes” e recordou a forma como “a classe média foi asfixiada por este Governo no corte de salários e pensões, no aumento dos impostos, das taxas moderadoras, das portagens”.

“Mas, infelizmente, o Governo não se ficou pelo ataque à classe média e não hesitou, até nas pessoas com os rendimentos mais baixos, de levar até elas a sua fúria de austeridade”, afirmou o dirigente socialista.

António Costa disse que “a realidade é que o Complemento Solidário para idosos (CSI) foi cortado, foi reduzido e, sobretudo, o acesso foi bastante restringido”, deixando dezenas de milhar de pessoas sem esse complemento.

“Ao longo destes quatro anos houve mais de 70.000 idosos que recebiam o CSI e que o perderam e que vivem hoje com as dificuldades que este primeiro-ministro criou e que nem sequer tem consciência que as criou”, lamentou, considerando que Pedro Passos Coelho “não aprendeu a lição”.

António Costa quantificou as perdas para os beneficiários do CSI, afirmando que esse complemento foi “reduzido para o próprio beneficiário em 7%”, se houver “outro adulto a cargo do agregado o corte foi de 33%” e, na parcela do Rendimento Social de Inserção (RSI) para as crianças, houve “um corte de 44% por decisão deste Governo e deste primeiro-ministro”.

“Os beneficiários do RSI são pessoas ricas e titulares de grandes rendimentos, ou são aquelas que foram vítimas dos cortes deste Governo apesar dos baixos rendimentos que têm?”, questionou António Costa.

O secretário-geral do PS frisou que “170 mil pessoas perderam a possibilidade de acederam ao RSI” com o governo de maioria PSD/CDS-PP dirigido por Pedro Passos Coelho.

António Costa criticou, ainda, o governante por ter dito que “Portugal viu aumentar menos a emigração, quando comparado com países como a Irlanda e a Espanha”, e refutou esta afirmação, afirmando que a emigração aumentou “na Irlanda em 7%, em Espanha em 32% e em Portugal em 126%”.

“Então onde aumentou mais, em Portugal, na Irlanda ou na Espanha? Mas que contas são essas senhor primeiro-ministro”, disse ainda o secretário-geral socialista.

António Costa acusa Passos Coelho de ter mentido quando disse que os portugueses com rendimentos mais baixos não foram afetados pela austeridade.

O secretário-geral do PS diz que é por isso que a credibilidade do primeiro-ministro está minada.

Declarações foram feitas durante o discurso na sessão de encerramento da convenção Regional 2015 - afirmar o Algarve, realizado em Portimão, este sábado.