O primeiro-ministro, António Costa, foi hoje recebido durante aproximadamente duas horas e meia pelo Presidente da República eleito, Marcelo Rebelo de Sousa, com quem disse ter tido uma "excelente reunião de trabalho".

Em declarações aos jornalistas, no final do encontro, que decorreu no Palácio de Queluz, António Costa considerou "natural" que, neste momento de "transição de poderes", o Governo mantenha o Presidente eleito "ao corrente dos assuntos do Estado" e adiantou que estão a ser definidas "regras de trabalho em comum".

Questionado se haverá novos encontros antes da posse de Marcelo Rebelo de Sousa, marcada para 9 de março, o primeiro-ministro respondeu que "provavelmente sim" e referiu que estes contactos estão ser feitos "com o consentimento" e "sem desconsideração" pelo atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, "que está no pleno exercício das suas funções".

O chefe do Governo do PS chegou ao Palácio de Queluz - onde Marcelo Rebelo de Sousa tem um gabinete de trabalho até à sua tomada de posse - às 15:09, acompanhado pela sua chefe de gabinete, Rita Araújo. O encontro com o Presidente eleito terminou cerca das 17:45.

António Costa despediu-se de Marcelo Rebelo de Sousa com um "até breve" e em seguida prestou declarações aos jornalistas.

O primeiro-ministro começou por dizer que esta "foi uma excelente reunião de trabalho com o senhor Presidente da República eleito" e que "o Governo tem estado a acompanhar esta transição de poderes" na chefia do Estado.

"Vários membros do Governo têm tido sessões de trabalho com o senhor Presidente eleito", mencionou António Costa, recordando que já tinha estado reunido com Marcelo Rebelo de Sousa após a sua eleição, num jantar na residência oficial do primeiro-ministro, a 28 de janeiro.

O objetivo "é que o Governo vá mantendo contactos com o senhor Presidente da República eleito, para que se vá mantendo informado do andamento dos assuntos do Estado, informado de algumas questões particularmente relevantes que sejam colocadas", acrescentou.

Questionado sobre a agenda desta reunião, o primeiro-ministro afirmou que o Orçamento do Estado para 2016 "não foi objeto de particular atenção" e recusou "esmiuçar os temas da conversa", alegando que "são naturalmente reservados" e "não são objeto de transmissão pública".

Ministro das Finanças informou o Presidente eleito sobre situação financeira

António Costa, referiu ainda que nesta reunião foram abordados "vários assuntos correntes" e que o Orçamento do Estado para 2016 "não foi objeto de particular atenção".

"O Orçamento também, mas não foi objeto de particular atenção. Ainda ontem [segunda-feira] o senhor ministro das Finanças teve a oportunidade de informar o senhor Presidente eleito sobre a situação financeira do país e, portanto, não foi um tema que estivesse no tópico principal da nossa conversa", acrescentou.