O líder PS disse esta quinta-feira, após o encontro com o Presidente de França, que os contactos com líderes europeus serão usados no programa eleitoral para garantir que todas as medidas prometidas possam ser executadas num futuro Governo.

«Considero que o princípio da confiança e da credibilidade é o valor mais importante que pode existir na política e entendo que no processo de construção de um programa de Governo é preciso avaliar as condições de execução desse programa, designadamente ao nível europeu», afirmou António Costa, após a reunião de cerca de uma hora com o Presidente francês, François Hollande, no Palácio do Eliseu, em Paris.

O secretário-geral socialista já se tinha encontrado na quarta-feira com o primeiro-ministro de Itália, Matteo Renzi, num conjunto de contactos que, disse, servem para ir desde já construindo alianças com vários Governos e elaborar um programa eleitoral com políticas exequíveis.

«Todos temos percebido nos últimos meses que a política europeia implica a constituição de alianças, a articulação de posições de forma que possamos ter uma posição eleitoral sólida mas que não esteja em contradição com o que temos que fazer a seguir às eleições», acrescentou o líder do Partido Socialista (PS).

Questionado sobre se o presidente Hollande lhe deu algum conselho sobre medidas que não deve prometer porque depois não são exequíveis, devido à oposição de Bruxelas, António Costa respondeu que não ia «revelar pormenores» sobre o que foi dito pelo presidente francês.

O PS tem previsto apresentar o seu programa eleitoral em junho.