António Costa diz que o Governo deveria ter aproveitado o pedido de redução da austeridade na Grécia para propor o mesmo em todos os países europeus, incluindo Portugal. O secretário-geral do PS afirmou, esta quinta-feira, no Barreiro, que mais austeridade para os gregos não diminiu a austeridade para os portugueses.

"Quando aparece um governo que diz que pretende menos austeridade na Grécia, o Governo português em vez de aproveitar para dizer: Vamos criar condições para diminuir a austeridade em todos os países, e também em Portugal, não. O que quer é que haja mais austeridade para os gregos, como se isso diminuísse a austeridade que nós próprios sofremos.",


O líder socialista sublinhou que é do interesse do país que a crise do euro passe "o melhor e o mais depressa possível".

"O que é do nosso interesse é que esta crise do euro passe o melhor possível e o mais depressa possível."


Num debate com jovens e reformados, designado "Encontro de Gerações" e onde também esteve o deputado socialista e ex-ministro da Segurança Social Vieira da Silva, a emigração dos jovens face ao desemprego, as baixas pensões e o aumento da idade da reforma foram outros dos temas abordados.

Os dirigentes socialistas deixaram muitas críticas à política do atual Governo PSD/CDS, acusando o Executivo de ser responsável pelo retrocesso do país nos últimos quatro anos. Além das palavras duras, ficaram alguns compromissos, nomeadamente a necessidade de renovar a administração pública portuguesa.

O líder do PS defendeu também que a solução de alguns dos principais problemas da sociedade, como o desemprego e a quebra de receitas da Segurança Social, passa pela criação de emprego. De resto, esta é, para António Costa, "a causa das causas".

"O emprego é a causa das causas, porque diz respeito a toda a gente. Diz respeito a quem não tem e procura emprego, diz respeito a quem tem emprego e tem a angústia de o perder, diz respeito àqueles que estão em situação precária e querem ganhar segurança, diz respeito aos reformados, que precisam que haja empregados que façam as contribuições para continuar a assegurar o pagamento corrente da segurança social. [...] E eu tenho dito que o emprego até diz respeito às crianças que estão por nascer, porque se nós queremos aumentar a natalidade temos de ter, antes de mais, emprego. Porque sem emprego não há aumento da natalidade."


O 'Encontro de Gerações' realizou-se no âmbito de um périplo do líder socialista que decorre até ao debate do Estado da Nação, no dia 8 de julho,

Esta sexta-feira, o secretário-geral do PS termina a visita ao distrito de Setúbal com a participação num encontro de cidadãos e associações com atividade no Vale da Amoreira, designadamente com a Associação Cabo-verdiana (10:00), a que se segue, pelas 11:30, uma visita ao Tribunal Judicial de Sesimbra.