O primeiro-ministro, António Costa, oferece esta sexta-feira à chanceler alemã, Angela Merkel, apoio na integração de refugiados, nomeadamente para receber estudantes de nível superior e emprego no setor agrícola.

À margem da maior feira mundial de frutas, legumes e flores, que termina esta sexta-feira em Berlim, Costa lembrou a dificuldade da Alemanha em integrar cerca de um milhão de refugiados e que Portugal, “não estando a ser especialmente pressionado (na crise dos refugiados), tem o dever de ser solidário”.

“Eu gostaria de dizer à senhora Merkel que além do esforço que estamos empenhados, quer na vigilância das fronteiras externas da União, quer no trabalhos dos hotspots (registos de refugiados), estamos disponíveis numa base bilateral para colaborar e ajudar a Alemanha”, referiu o chefe do executivo.

Essa colaboração é uma “excelente oportunidade” para Portugal, ao manter alunos nos politécnicos e universidades, “onde por via do efeito demográfico têm vagas”.

“Também é uma oportunidade para o setor agrícola, onde há falta de mão-de-obra” que têm sido preenchidas com migrantes nomeadamente de origem asiática.

“Podemos ter soluções ganhadoras para todos”, garantiu António Costa, referindo-se à possibilidade da Alemanha aumentar as importações de produtos agrícolas, pelo que Portugal poderá produzir mais e empregar mais pessoas.

Com Merkel outro assunto a analisar será o referendo de permanência, ou não, do Reino Unido na UE e “garantir a liberdade de circulação”.

Quando se esperava ainda a entrega da proposta de Orçamento de Estado no parlamento e a discussão em Bruxelas do documento, António Costa referiu estar “sereno” à espera do resultado da análise da Comissão Europeia.

Comentando que as contas públicas foram aprovadas por “unanimidade e aclamação” pelo Conselho de Ministros, Costa garantiu ainda que o esboço de orçamento do Governo é “um excelente casamento de como virar a página da austeridade, cumprindo as regras” e mantendo o país “ativo” na zona euro.

Pela manhã, o primeiro-ministro encontrou-se com o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros, Franz-Walter Steinmeie.