O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta sexta-feira que os meios de combate aos incêndios vão continuar disponíveis "enquanto for necessário", reiterando a necessidade de as pessoas não terem comportamentos negligentes, como é o caso das queimadas.

Os meios que temos e que foram reforçados, vamos mantê-los disponíveis enquanto for necessário. Neste momento, ninguém pode ter a certeza de quando é que o tempo muda", disse aos jornalistas António Costa, durante uma visita a Góis e Vila Nova de Poiares, dois concelhos do distrito de Coimbra afetados pelos incêndios de 15 de outubro.

O primeiro-ministro frisou que o dispositivo está mobilizado até 31 de outubro, mas o período pode ser prolongado se necessário.

O dispositivo vai manter-se enquanto o clima exigir que se mantenha", vincou, recordando que, no momento em que falava à comunicação social - por volta das 18:00 -, estavam "30 e tal graus, no fim de outubro".

Já ao início da tarde, quando tinha chegado a Vila Nova de Poiares, António Costa reiterou a necessidade de as pessoas não terem comportamentos de risco, nomeadamente fazer queimadas.

É absolutamente proibido fazer qualquer tipo de queimada nesta época. Sei que as pessoas estão habituadas a que isto seja uma época de queimadas, mas o clima não está como é habitual", disse.

"Bem sei que estamos quase no final de outubro, mas infelizmente é como se estivéssemos a meio de agosto. Esta não é época para queimadas", vincou António Costa.