"Queremos virar a página respeitando o contexto europeu em que estamos inseridos", disse, numa alusão às regras do Tratado Orçamental da União Europeia.


"Quando trocamos a descida do IRC por uma alteração da contribuição para a Segurança Social por parte das empresas, estamos a tomar uma medida que em vez de beneficiar só cento e poucas mil empresas beneficia 700 mil empresas - e beneficia sobretudo as pequenas e médias, afinal aquelas que mais necessitam de apoio e também aquelas que mais precisam de possuir melhores condições financeiras para acompanharem o esforço de vencer a crise", advogou o líder do PS, como cita a Lusa.










"Este documento é o quadro financeiro com base no qual elaboramos o nosso programa eleitoral. É um documento que foi apresentado por um grupo técnico, que está devidamente validado e que permite dar um grande impulso ao relançamento da economia", declarou.


"Este é um programa que nos permite vencer a austeridade sem romper com o euro, apontando para a criação de emprego e para o crescimento. É um programa que vale a pena ser prosseguido, mas, naturalmente, em diálogo com os parceiros sociais", acentuou.