O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira, em Leiria, uma alteração ao embargo com a Rússia para resolver a "curto prazo" a situação de crise que o setor da suinicultura atravessa.

Não creio que tenha solução de curto prazo que não passe por uma alteração de política da União Europeia, em matéria designadamente das relações e do embargo com a Rússia", afirmou António Costa, que falava num jantar em Leiria, que contou com a presença de vários empresários e autarcas da região.

A criação de exceções ao embargo com a Rússia seria "absolutamente essencial" para resolver a crise que a suinicultura nacional está a atravessar, sublinhou.

Segundo António Costa, o Governo também pode fazer "trabalho diplomático relativamente à abertura de mercados" e eliminação de barreiras para a importação da carne de porco portuguesa para outros países.

O governante recordou as linhas de crédito "que existem e que podem servir para satisfação de necessidades fundamentais", bem como a possibilidade de um "esforço diplomático" por parte do Governo "em mercados como a China".

No entanto, para António Costa, "a questão do embargo russo é uma questão crítica".

"Hoje, ao nível da União Europeia, nem todos temos a mesma sensibilidade relativamente à questão do relacionamento com a Rússia", disse, recordando que para alguns Estados-membro não há "uma grande abertura para que haja exceções", como "porventura" Portugal não teria se estivesse "na posição geográfica" desses países.

O governante sublinhou ainda que "há um esforço grande" por parte do Governo "junto das grandes superfícies, tendo em vista a alargar a aquisição de carne portuguesa".

António Costa falava num jantar conferência intitulado "Investimento e Crescimento Económico", que decorreu na Ortigosa, concelho de Leiria.