O candidato às primárias do PS António Costa elogiou, nas Lajes das Flores, a governação socialista nos Açores nos últimos 18 anos, que considerou ser um «bom exemplo» para todo o país.

Num almoço com militantes e simpatizantes do partido nas Lajes das Flores, realizado no âmbito de uma visita de dois dias aos Açores, António Costa realçou a «visão e a estratégia» dos governos regionais de Carlos César e de Vasco Cordeiro.

«Essa visão e estratégia permitiram que ao longo destes anos pudéssemos ter aqui nos Açores um bom exemplo de governação, onde a democracia se aprofundou, onde as finanças públicas foram bem geridas e onde o ciclo de desenvolvimento económico foi absolutamente único na história das autonomias e na história dos Açores», disse António Costa, que vai disputar as primárias do PS, a 28 de setembro, com António José Seguro, atual líder do partido.

Costa disse que foi «em homenagem» ao modelo de governação socialista no arquipélago que convidou para mandatário nacional da sua candidatura o ex-presidente do Governo Regional e líder honorário do PS/Açores, Carlos César, que o acompanhou na visita.

Para António Costa, é necessário aplicar uma nova estratégia de governação em Portugal, porque, em sua opinião, o atual modelo do Governo liderado por Pedro Passos Coelho «está esgotado».

No seu entender, a solução para o país passa pela criação de um «projeto comum e mobilizador», que respeite a «mais-valia» da descentralização e da autonomia regional.

«Creio, por isso, que é importante que o próximo ciclo de governação do PS seja marcado por este bom trabalho de articulação das freguesias, dos municípios, do Governo Regional e do Governo da República, em prol do desenvolvimento do país», afirmou.

António Costa realçou também o «papel central» que os Açores têm na abertura do Canal do Panamá e como extremo da fronteira entre a Europa e os Estados Unidos, um «mar imenso» ainda por descobrir.

Depois de um almoço com os militantes do PS nas Lajes das Flores, António Costa visitou a freguesia da Fajã Grande, o ponto mais ocidental da Europa.