"A partir do próximo ano, a sobretaxa começa mesmo a ser eliminada, porque a questão não é devolver 10, nem 15, nem 16. É eliminá-la."




"É do estrito interesse nacional que nada aconteça nestes próximos 29 dias que possa perturbar um objetivo que todo o país comunga, que é que o país possa sair do procedimento por défice excessivo. Portanto, este Governo nos próximos 29 dias tudo fará para nem diminuir receita nem aumentar despesa relativamente ao ponto em que estávamos no dia em que tomámos posse."






"Aquilo que tem por base este entendimento - este acordo, desta posição conjunta, como lhe queiram chamar - é um princípio de enorme transparência. Nós respeitamos a pluralidade da identidade de cada um e convergimos naquilo que consideramos prioritário e essencial para dar resposta ao que consideramos urgente para o país: virar a página da austeridade, permitir mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade."


Desfazer “negociata” nos transportes não terá custos 


"Felizmente, a cegueira e o radicalismo foi tanto, a trapalhada foi tanta, que o Tribunal de Contas não visou os contratos e hoje é possível desfazer essa negociata sem que isso custe dinheiro ao Estado nem implique indemnizações que o Estado teria de pagar."




"Essa teimosia assenta simplesmente num preconceito, o de que a gestão privada é melhor do que a pública, mesmo quando essa gestão privada é assegurada por um empresa pública espanhola a quem o governo entregou parte dos transportes públicos do Porto porque não confia nas autarquias locais."