«O Presidente procurou responsabilizar as oposições por algo que é da exclusiva responsabilidade do primeiro-ministro, que é andar há mais de uma semana sem ser capaz de esclarecer, de uma forma cabal e convincente, as dúvidas suscitadas pela comunicação social e é dever do primeiro-ministro esclarecer».

Este sábado, o Presidente da República considerou que Passos Coelho «deu as explicações que entendia dever dar» e que tudo o resto são «controvérsias político-partidárias que já cheiram a campanha eleitoral».

Para António Costa, a situação levanta uma questão política que é saber se agora «o primeiro-ministro tem autoridade para impor e exigir o cumprimento dos deveres aos portugueses».

 

«O Presidente tem de garantir que o primeiro-ministro responde. Quanto mais tempo passa sem que [Passos Coelho] responda e esclareça, é mais tempo que temos as nossas instituições a serem desgastadas e a confiança imprescindível dos cidadãos está a ser minada».

Costa espera que no próximo debate quinzenal, na quarta-feira, «seja a última vez que o primeiro-ministro não dê resposta cabal e convincente de forma a que tudo possa ficar esclarecido».