O diretor de campanha socialista à Câmara de Lisboa, Duarte Cordeiro, considerou este domingo que os primeiros indicadores, que dão a maioria absoluta a António Costa na capital, «reforçam a segurança» de uma «vitória muito expressiva» do PS.

O diretor de campanha falava depois as primeiras projeções televisivas indicarem a maioria absoluta ao PS, que poderá arrecadar entre 51 e 55% dos votos, ou seja, eleger 10 ou 11 vereadores.

«Os primeiros indicadores que nos surgem reforçam a nossa segurança num resultado muito expressivo na candidatura do PS», afirmou, recordando que «há mais de 20 anos que não havia um presidente da Câmara de Lisboa a ser eleito pela terceira vez».

Com as projeções a fixarem a abstenção entre os 38 e os 43,3% (em 2009, a abstenção ficou nos 41%, a mais alta de sempre em eleições autárquicas), Duarte Cordeiro considerou que este «é um sinal muito claro dos portugueses que acreditam na democracia e percebem a importância das eleições, apesar da desvalorização feita pelos órgãos de comunicação social».

O diretor de campanha disse ainda que o PS vai «aguardar com serenidade» o desfecho dos resultados, que, reforçou, deixam a entender uma «vitória muito expressiva».

Primeiro a chegar ao Hotel Altis, o recandidato socialista mostrou-se confiante na vitória em Lisboa, mas também do PS por todo o país, admitindo que nas eleições autárquicas existe sempre uma leitura nacional.

A candidata à presidência da Assembleia Municipal, Helena Roseta, mostrou-se também confiante, mas preferiu guardar comentários para mais tarde.

Apoiantes da candidatura foram sublinhando a vitória de António Costa, nomeadamente a eurodeputada Edite Estrela, que também admitiu que «com o atual contexto nacional se façam leituras nacionais de eleições autárquicas».