Os novos dirigentes da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) serão eleitos no próximo congresso da associação, que se realizará no dia 23 de novembro, em Santarém, anunciou hoje Fernando Ruas.

O congresso será «algo particular», pois, por decisão da sua comissão organizadora, será iniciado com «a acreditação [dos participantes] e eleição dos novos» dirigentes, de modo a que «sejam já eles a fazerem de relatores», revelou hoje, em Coimbra, o presidente cessante da ANMP.

O novo presidente da ANMP, cargo que tem sido desempenhado, nos últimos três mandatos, pelo social-democrata Fernando Ruas, será um autarca socialista, uma vez que o PS passou a ser o partido que maior número de câmaras passa a deter, na sequência das eleições autárquicas de 29 de setembro.

Além do Conselho Diretivo, também os outros órgãos da Associação refletirão os resultados eleitorais, devendo, no entanto, manter-se o «acordo de cavalheiros», que assegura a liderança do Conselho Geral (que acumula com a presidência da Mesa do Congresso) ao segundo partido mais votado, e do Conselho Fiscal à terceira maior força no poder local.

Este «acordo de cavalheiros sempre se cultivou na Associação», sublinhou Fernando Ruas, considerando esperar que se «mantenha essa tradição» e que não vê «nenhuma razão para ser alterada».

Na composição do futuro Conselho Diretivo (eleito pelo método de Hondt), o PS deverá passar a ter nove representes (contra os atuais oito), o PSD baixará de oito para seis e o PCP aumentará de um para dois membros.

«A Associação decidiu ¿ e bem ¿ dizer aos independentes que, se se entenderem [entre si], podem indicar» representantes seus para o Conselho Geral, único órgão ao qual deverão ter acesso, em função da sua expressão eleitoral, adiantou Fernando Ruas, recordando que «já aconteceu uma vez» os independentes terem um autarca em sua representação naquele órgão.

Os resultados obtidos nas eleições de domingo pelas candidaturas independentes (13 presidências de câmara) deverão equivaler a dois lugares no Conselho Geral, estimou o presidente cessante da ANMP.

Fernando Ruas, presidente da Câmara de Viseu há 24 anos, sucedeu na liderança da ANMP, em 2001, ao socialista Mário de Almeida (presidente da Câmara de Vila do Conde), que também cumpriu três mandatos.

O primeiro presidente da ANMP, constituída em 1985, foi o social-democrata Torres Pereira, então presidente da Câmara de Sousel.