O PS acusou esta quinta-feira o Governo de desrespeitar o parlamento ao concretizar a venda da maioria do capital da TAP e prometeu que, "no quadro legal aplicável", tratará com o comprador da redução da privatização a 49%.

Esta posição oficial do PS foi transmitida à agência Lusa pela dirigente socialista e ex-secretária de Estado dos Transportes Ana Paula Vitorino, logo após a assinatura do contrato de venda de 61% do capital da TAP ao consórcio Gateway, de David Neeleman e de Humberto Pedrosa, e depois de o Conselho de Ministros ter aprovado esta tarde a minuta final do acordo relativo à conclusão do processo.

"O PS mantém a sua intenção de manter o controlo acionista e estratégico da TAP, pelo que, com serenidade e no quadro legal aplicável, trataremos com o adquirente da redução da privatização a 49%".


Na mesma reação à conclusão da operação de venda da TAP, a deputada e dirigente do PS lamentou "a falta de sentido de Estado e desrespeito pela Assembleia da República deste do Governo minoritário de direita, em gestão, ao concretizar este negócio contra a maioria do parlamento, depois de ter sido demitido na terça-feira".

"A situação de rutura financeira da empresa, hoje anunciada pelo Governo, contrariando o que sempre tinha dito, demonstra a gestão desastrosa e a responsabilidade do Governo dos últimos quatro anos. Mas não parece ser inocente a alteração contratual que antecipa o encaixe de 150 milhões de euros, criando desta forma um facto consumado", acrescentou a ex-secretária de Estado dos Transportes Ana Paula Vitorino.