«Significará que (Portugal) estará certamente disposto a fazer-se ouvir em todas as matérias e perante todos os interlocutores esperemos nós também, neste caso, perante Angola».


«Ninguém pode ser morto, torturado ou perseguido – apenas por querer expressar-se de uma forma livre como a própria Constituição angolana prevê»