O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, escusou-se esta sexta-feira a comentar a venda da Portugal Telecom (PT) mas disse esperar que a empresa possa ter condições para reencontrar um caminho de estabilidade.

«Não vou comentar o desfecho de um negócio que é privado. Quero apenas dizer que é importante para uma grande empresa portuguesa, como é a PT, que haja estabilidade acionista, estabilidade em termos de governação, administração, porque mesmo uma boa empresa como é a Portugal Telecom precisa de ter um corpo acionista estável e uma liderança garantida pela administração», salientou o chefe do Governo.


Passos Coelho espera que, agora, a PT «possa finalmente ter condições para reencontrar um caminho de estabilidade acionista e de gestão para poder continuar a prestar bons serviços à economia portuguesa».

Os acionistas da PT SGPS deram quinta-feira luz verde à venda da PT Portugal aos franceses da Altice, com 97,81% de votos favoráveis, avançou fonte oficial da PT SGPS.

A venda da PT Portugal foi aprovada com 97,81% dos votos favoráveis do Novo Banco, Ongoing, Visabeira e Controlinveste, numa reunião que contou com 44% do capital presente ou representado, mas apenas 34% de capital votante, já que os brasileiros foram impedidos de votar por conflito de interesses.