O representante da República para a Madeira diz que vai «ler com a devida atenção» a carta que Alberto João Jardim enviou aos militantes do PSD insular, assegurando que «vai cumprir» a Constituição e o Estatuto da região.

«Neste momento não me pronuncio sobre o processo interno do PSD/Madeira», disse Ireneu Barreto aos jornalistas no aeroporto da Madeira no regresso do Porto Santo, onde se deslocou para marcar presença na cerimónia comemorativa do dia da unidade militar «Aeródromo de Manobra nº3» quando questionado se o novo líder poderia formar governo sem a realização de eleições legislativas.


O juiz conselheiro adiantou que só pretende pronunciar-se «na altura que considerar oportuna sobre o futuro político da região».

«Só posso dizer sobre isso é que cumprirei a Constituição e o Estatuto Político-Administrativo» da Madeira, assegurou.


Ireneu Barreto mencionou que «ainda não teve tempo de ler a carta» que Alberto João Jardim enviou aos militantes do PSD/Madeira

«Mas vou lê-la com a devida atenção», sublinhou.


O presidente do Governo e da Comissão Política do PSD-Madeira, Alberto João Jardim, apelou terça-feira aos militantes sociais-democratas, numa carta a que a Lusa teve acesso, para que não deixem o partido cair «nas mãos de maus companheiros».

Jardim «agradece toda a ajuda» que lhe deram ao longo dos anos e afirma que «não é uma despedida».

Alberto João Jardim conclui: «Se o PSD-M deixar de estar à altura das suas responsabilidades e deveres para com o povo madeirense, quer nos princípios e valores, quer na prática, seu que, mais uma vez juntos, saberemos encontrar os caminhos necessários», sem especificar.

O líder madeirense critica ainda os que negam «aquilo em que eles próprios participaram»; os que apoiaram «os partidos adversários nas eleições autárquicas» e os que inscreveram no partido «gente que não subscreve a doutrina e a prática do PS-M e votam noutros».

«Não deixe que o nosso PPD/PSD caia nas mãos de gente que não hesitará em destruir tudo o que é o nosso trabalho juntos», finaliza.

Jardim também escreveu aos seis candidatos á sua sucessão, informando numa carta com data de segunda-feira, que pretende reunir a 12 de janeiro com o representante da República para apresentar a sua demissão do cargo de presidente do executivo madeirense.

O PSD-M tem eleições internas a 19 de dezembro, havendo seis candidatos à sucessão de Jardim (Miguel Albuquerque, Miguel de Sousa, João Cunha e Silva, Manuel António Correia, Sérgio Marques e Jaime Ramos).

Caso não haja vencedor, haverá uma segunda volta a 29 de dezembro, estando o congresso do PSD agendado para 10 e 11 de janeiro.

O PSD realiza a sua festa de Natal no sábado, que será a última em que Jardim participará como líder do partido.