O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, pediu hoje às Forças Armadas Portuguesas para que não deixem «fenecer» Portugal face aos interesses estrangeiros e para que «não confundam autonomia com separatismo».

Alberto João Jardim fez este apelo e pediu esta distinção no discurso que fez no final de um jantar na Presidência do Governo Regional em honra do Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, general Artur Pina Monteiro.

«Peço às Forças Armadas a maior atenção para que este país não vá fenecendo (morrendo) à base dos interesses estrangeiros e sem olhar para cada homem e cada mulher que, desde há muitos séculos, fazem esta Pátria», declarou.

Manifestando-se como «um autonomista convicto», o presidente do Governo Regional pediu às Forças Armadas para que não confundam o discurso autonomista com o discurso «separatista».

«O discurso autonomista é um discurso português, é a procura da melhor solução para manter a coesão nacional, o discurso centralista é um discurso tão separatista como o discurso separatista porque vai ferir a coesão nacional», opinou.

O Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, general Artur Pina Monteiro, considerou, por seu lado, que «a autonomia é das conquistas mais nobres de abril».

«A autonomia é, de facto, essencial para que estas três parcelas [Portugal, Açores e Madeira] possam ter a sinergia toda que emana de cada uma delas de modo a obtermos uma mais-valia geopolítica que nos permita ter uma afirmação mais rica no concerto das Nações e no âmbito das organizações a que pertencemos», disse.

O general Artur Pina Monteiro, recentemente empossado como Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, reafirmou, nesta sua primeira viagem à Madeira investido naquelas funções, que valorizará «sempre as Regiões Autónomas».

O general Pina Monteiro presidiu hoje ao Dia Comemorativo do Comando Operacional da Madeira e visitou a sede do Serviço Regional de Proteção Civil.