O ministro da Defesa Nacional considerou esta quarta-feira «muito satisfatória» a garantia dada pela Martifer de que irá criar 400 novos postos de trabalho nos antigos Estaleiros Navais de Viana do Castelo.

Martifer não garante emprego aos 620 trabalhadores

«Nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo são garantidos, por parte da Martifer, a existência de 400 novos postos de trabalho para exercer a sua atividade. E essa situação é muito satisfatória», afirmou Aguiar-Branco, em declarações aos jornalistas, à margem da cerimónia de abertura do ano letivo no Instituto de Estudos Superiores Militares, em Lisboa.

Questionado sobre o destino dos atuais 620 trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), Aguiar-Branco disse que lhes serão garantidos «todos os direitos» devidos, caso não sejam recrutados pela nova entidade.

O ministro adiantou que se reunirá quinta-feira com a comissão de trabalhadores dos ENVC e que lhes dará «em primeira mão nota de como é que será resolvida» a situação dos que não forem recrutados pelo grupo Martifer.

«O Estado garante a toda a gente todos os direitos que têm de ser garantidos num Estado de Direito que é o nosso», disse.

Questionado sobre se se referia a indemnizações, Aguiar-Branco repetiu apenas «todos os direitos».

O ministro reiterou que considera «uma excelente notícia» o anúncio de que o grupo Martifer pretender manter nos terrenos dos Estaleiros Navais a indústria de construção e reparação naval e ali criar 400 novos postos de trabalho.

«Vai ao encontro do que sempre dissemos», lembrou, acrescentando: «Dois anos depois, temos salvaguardado um ativo estratégico muito importante no âmbito da atividade marítima e da região e o anúncio que irá criar novos 400 postos de trabalho.»

O grupo Martifer confirmou hoje que vai assumir a subconcessão dos terrenos e infraestruturas dos Estaleiros de Viana, pela qual vai pagar anualmente 415 mil euros, prevendo criar 400 postos de trabalho durante três anos.

Por esclarecer ficou o destino dos atuais 620 trabalhadores.