O ministro da Defesa Nacional manifestou hoje satisfação com a decisão da agência Fitch de passar de «negativa» para «positiva» a perspetiva da dívida portuguesa a longo prazo, considerando que os «sacrifícios estão a produzir efeito».

«Isto são dados objetivos, são números, são realidades, não é discurso. Como português sinto-me satisfeito por ver que a capacidade do povo português nesta hora crítica foi positiva», afirmou José Pedro Aguiar-Branco, em declarações aos jornalistas.

A agência de notação financeira Fitch anunciou hoje que atualizou a perspetiva de Portugal de «negativa» para «positiva», mantendo o rating de crédito do país em «BB+», ou seja, no primeiro nível em que deixa de aconselhar investimento.

Aguiar-Branco sublinhou que «é bom» verificar que «diversas instituições, cada uma com as suas responsabilidades, concluem que a economia portuguesa está a ter uma capacidade de resposta positiva».

Além disso, acrescentou, verificam que «essa capacidade de resposta está a ter uns contornos de sustentabilidade mais fortes».

«Isso significa que os grandes sacrifícios que fizemos, as grandes exigências que nos impusemos estão agora a produzir o seu efeito», sustentou o governante.

A agência de notação financeira justificou a decisão considerando que Portugal está a fazer progressos na redução do défice, sendo que o desempenho orçamental do país em 2013 «ultrapassou as expectativas» da Fitch e «superou os objetivos do programa de ajuda externa».