O ministro da Defesa afirmou hoje que a Escola de Comunicações e Sistemas de Informação da NATO deve começar a funcionar em Oeiras em meados de 2017 e pode reforçar a capacidade de ciberdefesa de Portugal.
José Pedro Aguiar-Branco discursava num colóquio sobre ciberdefesa organizado pela NATO nas instalações da Academia Militar na Amadora.

«A transferência da Escola de Comunicações e Sistemas de Informação da NATO de Itália para Portugal já começou a espera-se que a conclusão deste processo ocorra em meados de 2017», afirmou o governante.


Aguiar-Branco referiu que a instalação da escola anteriormente sediada em Latina «foi planeada e está a ser implementada de uma forma muito eficaz por uma equipa muito competente, eficiente e dedicada», com «o cumprimento rigoroso dos prazos e custos associados».

«Portugal está fortemente empenhado neste projeto e acredita firmemente que, trabalhando em conjunto com Itália, este processo de relocalização terá em breve um resultado bem-sucedido, com um impacto muito positivo, não só nas capacidades da NATO, mas também em todos os aliados e nações parceiras», declarou.

O ministro da Defesa disse esperar que a escola tenha «a componente de ciberdefesa já integrada no seu curriculum».

«Para Portugal, a materialização deste projeto permitirá também aproveitar as necessárias sinergias que garantam a completa implementação da capacidade de ciberdefesa», acrescentou.


O governante referiu ainda o Centro Nacional de Cibersegurança e o Centro de Ciberdefesa criados em 2014 já «atingiram a capacidade operacional inicial» e «cooperam agora para incrementar a segurança nacional e a Defesa contra ciberataques».

Nesta conferência estiveram ainda presentes o ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, e os chefes militares.