logotipo tvi24

PCP Acusa PSD, CDS e PS de «fraude»

Agostinho Lopes diz que acordo com a troika «é uma fraude política e uma blasfémia política»

Por: Redacção / MM    |   2012-04-25 11:40

O PCP acusou, esta quarta-feira, a maioria PSD/CDS, mas também o PS, de «fraude» ao subscreverem o acordo com a troika. Posição assumida na sessão solene comemorativa do 25 de Abril na Assembleia da República, aproveitada pelas bancadas da oposição para fazerem críticas ao executivo PSD/CDS.

Por parte do PCP, Agostinho Lopes sustentou que o acordo assinado por Portugal com a troika (subscrito por PS, PSD e CDS) «representa um ajuste de contas com Abril» e rejeitou a tese de que a recuperação da soberania económica passe pelo saneamento das contas públicas.

«É uma fraude política e uma blasfémia política. É como se o caminho para resistir a Castela em 1383/1385 passasse por fugir a Aljubarrota; como se o caminho para afirmar a independência nacional em 1580 passasse pela aceitação do jugo filipino; como se o caminho em 1808 fosse a fuga para o Brasil e a colaboração com os ocupantes e não a resistência às invasões napoleónicas», declarou Agostinho Lopes.

Agostinho Lopes fez também uma alusão indireta à controvérsia em torno das presenças na sessão solene do 25 de Abril na Assembleia da República.

«Permitam que saúde a festa de Abril nesta Assembleia da República, que não poderá deixar de ser, como são hoje as ruas e praças de Portugal, uma casa de Abril», vincou, recebendo palmas da bancada comunista.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Comemorações do 25 de Abril no Paralmento

Agostinho Lopes EM CIMA: Agostinho Lopes

«Se agora conseguem poupar, por que foram ao osso?»
Santos Silva diz que cortes não são possíveis, a não ser que sejam em serviços hospitalares
Cortes «nunca» serão tão grandes como a CES
Em entrevista, Passos Coelho pouco revela sobre medidas futuras, mas admite aliviar cortes em 2016. O primeiro-ministro não promete baixar IRS e recusa ser responsável pelo aumento da pobreza
«Não é que se lixem as eleições, é que se lixem os portugueses»
Comentário de Constança Cunha e Sá na TVI24
EM MANCHETE
Corte não será tão grande como a CES
Em entrevista, Passos Coelho pouco revela sobre medidas futuras, mas admite aliviar cortes em 2016. PM não promete baixar IRS e recusa ser responsável pelo aumento da pobreza
«Primeiro-ministro fugiu a dar respostas concretas»
«Se agora conseguem poupar, por que foram ao osso?»