O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, defende que Lisboa é “a localização que oferece mais condições” para instalar a sede da Agência Europeia do Medicamento e que isso “não significa” a “depreciação” do Porto. As declarações do governante foram feitas esta quarta-feira, à margem de uma série de encontros que teve em Madrid. 

Dos estudos que realizámos e da ponderação que fizemos das nossas vantagens face aos concorrentes entendemos que Lisboa era a localização que oferecia mais condições, mais vantagens comparativas”, explicou Augusto Santos Silva.

O chefe da diplomacia portuguesa assegurou que “isso não significa qualquer depreciação das qualidades do Porto e da importância do ‘cluster’ da saúde” existente na cidade e arredores.

Vários autarcas do Porto e da sua área metropolitana têm criticado a decisão de Portugal candidatar Lisboa e não outras regiões do país, pondo em causa a decisão tomada em abril pelo Governo.

Esta quarta-feira, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, voltou a insurgir-se contra a decisão, reiterando que se trata de um problema de “centralismo”. "Continuamos a confundir o país com Lisboa”, vincou, em declarações à RTP.

Os vereadores do PS anunciaram no último sábado que iriam propor, na próxima reunião da Câmara Municipal do Porto, a criação “imediata” de um grupo de trabalho para preparar a candidatura da cidade para receber a Agência Europeia do Medicamento.

Portugal é um dos 20 Estados-membros da União Europeia que apresentou uma candidatura para receber a sede da Agência Europeia do Medicamento, pretendendo instalá-la em Lisboa, uma vez que essa instituição europeia terá de abandonar Londres devido à decisão do Reino Unido de sair da União Europeia.

A sede da Agência Europeia do Medicamento - cuja decisão da nova localização será tomada em dezembro pela União Europeia - é, segundo o Governo, "um fator de prestígio para o país que a acolhe e tende a atuar como polo de atração da presença da indústria farmacêutica, potenciando, em particular, as áreas de investigação e desenvolvimento e os ensaios clínicos".

Entre as muitas cidades candidatas contam-se Bruxelas, Barcelona, Milão, Amesterdão, Atenas, Dublin, Copenhaga e Estocolmo.

Estou certo de que a eventual relocalização da Agência Europeia do Medicamento em Lisboa terá benefícios para todo o país”, conclui Augusto Santos Silva.

Lisboa já é sede de duas agências europeias, a da Segurança Marítima e o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência.